Começa no pé e termina lá no galho

Todo humano é santo e pode amar, sim.
Cazuza

Posso até acreditar que o poeta está vivo em seus moinhos de vento, caminhar três vezes por cima do mar sem ter a quem perdoar. Posso até me fazer de santa, posso até amar. Mas nunca me pessa pra parar de chorar com as rimas de "e não me importa que mil raios partam", quem viu a Bete balançar.
Posso reler o livro "Só as mães são felizes", três mil vezes e outras mil. E não me cansarei de chorar ao fim do primeiro capítulo, é triste e real demais pra uma de mim só agüentar, mas o livro já começa com o poeta morto. Narciso é uma letra que descubro todos os dias, não sei como me esqueço dela com o passar das horas.

Tudo bem se tudo não terminar bem, e se o que eu faço tornar loucura. Se eu for circo pra um palhaço. Tudo bem se eu nasci alguns dez anos depois, se eu premeditei o passado e se eu só me tocar no futuro. Tudo ótimo se ninguém entender, se o que eu faço não for páreo pra você.

E é o fim.

"Engraçado como é a vida, quando a gente pensa que
tudo tá dando certo vem uma pessoa e te puxa o tapete,
mas esta pessoa não sabe o quanto tá te ajudando,
porque é só dessa maneira que você cresce, é desta maneira
que a gente cresce"

1 comentários:

João da Silva 1 de dezembro de 2008 11:55  

Que post maravilhoso, minha querida... maravilhoso!
É emocionante, é profundo. Vou refletir muito sobre ele, pois revela maturidade e inteligência bem acima da média.
Beijos carinhosos do João

Pesquisa

04/08/2009

No final de 2007 eu perdia o sono semanalmente pensando em algum texto. O cansaço físico me impedia levantar da cama para anotar os poemas, textos e frases que vinham à cabeça. Criei então o Segundo Lílian, em Junho de 2008. Postando anotações feitas na madrugada, sonhos rememorados na manhã seguinte, inspirações do meio do sono vespertino. Sem habilidade de escrita tive um blog trágico, perdi meus leitores e a vontade de escrever.
No final daquele ano resolvi criar o Insônia Registrada. Já que todos meus textos eram decididos durante a insônia, ou me tiravam o sono. Era um novo blog, pensado diferente, com novo tema, nova forma de escrita, novo visual - que já foi modificado uma dezena de vezes - além de agora um período de vida bem mais traduzível em letras.
Hoje, o blog já virou um vício. Textos, links, vídeos, descobertas, lembranças... tudo vem pra cá. Tirando o sono de quem lê também. Tamanho vício me levou a criar um blog de esportes, um de filme, participar brevemente de um blog de humor e me fez até perder a vergonha do Segundo Lílian.
Porque segundo Lílian, a insônia será registrada.