Abafado


Sede
e mia o gato
Incomodo
no sofá
que
sempre
me acomoda

Barulho
e mia o gato
o calor
abafa os carros
a sede
esquece o resto

Poema
e mia o gato
mas não
não sai nada
sede
e vence o calor.

Sei que poemas não é meu forte, mas to estudando sobre eles agora e cada vez me apaixonando mais. Se pesquisarem bem nestes arquivos perceberão que comecei a escrever por não saber escrever, aos poucos vou aprendendo transpassar a idéia e a alma pro papel, ou pra tela. Agora é a vez de começar aprender versificar o sentimento, vou tentando e vocês me ajudando. Críticas, por favor, não aprendo sem elas!

4 comentários:

Bruno Abreu 4 de novembro de 2009 00:40  

interessante... olha, acho que não sei criticar poemas, mas vc conseguiu passar bem a sensação. algo desconexo, as coisas do momento (sede, poema, gato miando, calor) tudo escrito de uma forma que nos passa a sensação de abafado, daquela preguiça de quando a gente ta exausto e fica pensando uns pensamentos curtos sem porquê que ficam indo e voltando...

embora goste de poemas mais fluidos, vc tem muita habilidade pra sintese.

Anônimo 4 de novembro de 2009 16:52  

Tá indo bem...
Tá indo bem...


edo...

Márcio Ahimsa 7 de novembro de 2009 10:02  

Se chovia cedo,
descaradamente,
e ria em ti algum suor
de madrugada, nessa insônia nua,
então, rasgou em mim o verbo
que dispersou meu medo
e eu fui apenas um travesseiro
amassado como companheiro
dos teus delírios...

Bom, cosumo sempre dizer que a única técnica necessária à poesia
é ter a alma nua para revelar alguns silêncios, o resto, as palavras se agrupam e se entendem para dizer o que ficou guardado...

Beijos, Lílian...

Jade 9 de novembro de 2009 15:46  

Bom, bom!
Escreva, escreva, escreva!
Você consegue passar bem o sentimento.
Beijos,
Jade.

Pesquisa

04/08/2009

No final de 2007 eu perdia o sono semanalmente pensando em algum texto. O cansaço físico me impedia levantar da cama para anotar os poemas, textos e frases que vinham à cabeça. Criei então o Segundo Lílian, em Junho de 2008. Postando anotações feitas na madrugada, sonhos rememorados na manhã seguinte, inspirações do meio do sono vespertino. Sem habilidade de escrita tive um blog trágico, perdi meus leitores e a vontade de escrever.
No final daquele ano resolvi criar o Insônia Registrada. Já que todos meus textos eram decididos durante a insônia, ou me tiravam o sono. Era um novo blog, pensado diferente, com novo tema, nova forma de escrita, novo visual - que já foi modificado uma dezena de vezes - além de agora um período de vida bem mais traduzível em letras.
Hoje, o blog já virou um vício. Textos, links, vídeos, descobertas, lembranças... tudo vem pra cá. Tirando o sono de quem lê também. Tamanho vício me levou a criar um blog de esportes, um de filme, participar brevemente de um blog de humor e me fez até perder a vergonha do Segundo Lílian.
Porque segundo Lílian, a insônia será registrada.